blue-sky
O Reiki é uma terapia complementar e um sistema de desenvolvimento pessoal sem qualquer conotação ou ligação religiosa. O método de Mikao Usui destina-se a proporcionar bem-estar, saúde e qualidade de vida, independentemente das crenças pessoais de cada um.

O Reiki integra-se nas terapias complementares reconhecidas pelo National Center for Complementary and Alternative Medicine. Os benefícios do Reiki para a saúde são cada vez mais reconhecidos pela comunidade científica, com instituições médicas de referência, a nível nacional e internacional, a disponibilizá-lo aos seus pacientes.

Esta prática complementar possibilita o auto cuidado e cuidado aos outros, com vista a um bem-estar integrado, a nível físico, mental, e emocional. O Reiki está vocacionado para a promoção e manutenção da saúde e, também, para o desenvolvimento pessoal.

Este último fator leva a que o Reiki seja interpretado como uma prática espiritual, mas apenas no sentido de desenvolvimento da consciência e de autodescoberta, e não de ligação a um credo ou prática espiritualista.

O facto de não estar ligado a nenhuma religião ou crença e de integrar todas, ou seja, a sua universalidade, levou que o método terapêutico desenvolvido por Mikao Usui se espalhasse por todo o mundo, em diferentes culturas, de uma forma sem precedentes.

Ao contrário do que por vezes se afirma, o Reiki não é uma prática milenar nem um produto do movimento New Age da década de 70. Este método foi desenvolvido por Mikao Usui, no Japão, no início do século XX.

Embora Mikao Usui fosse influenciado pelas religiões dominantes no seu país, o Budismo e o Xintoísmo, o Reiki não está vinculado a estas ou quaisquer outras religiões, sendo praticado globalmente por pessoas de todas as fés e crenças.

Como explica William Lee Rand do “The International Center For Reiki Training”, “o Reiki não tem dogma e não é preciso acreditar em nada para usar o Reiki. Na verdade, o Reiki não depende de todo de crenças e irá funcionar quer acredite nele ou não”.

Esta visão é corroborada por Johnny De’Carli, que na obra “Reiki: Manual do Terapeuta Profissional” esclarece que o Reiki “não é uma religião ou um sistema filosófico. Não tem restrições ou tabus.”

Além da componente terapêutica, a prática pessoal do Reiki preconiza também um conjunto de cinco princípios éticos, que Mikao Usui acreditava serem o fundamento para o bem-estar e para a prevenção da saúde.

Os cinco princípios de Reiki proporcionam uma base de trabalho para o desenvolvimento pessoal, rumo a uma maior harmonia, paz e qualidade de vida. Estes princípios são universais e, tal como a aplicação terapêutica do Reiki, são transversais a todas as crenças religiosas.

O Reiki é para todos, quer tenha ou não uma fé, e não precisa de abdicar das suas crenças para usufruir dos benefícios do Reiki. O seu terapeuta ou professor vai esclarecê-lo acerca desta terapia, da sua origem, atuação e benefícios, e proporcionar-lhe um contacto esclarecido com o método desenvolvido por Mikao Usui.

Se possui uma crença religiosa, o Reiki, à semelhança de outras práticas terapêuticas, pode ser integrado na sua vida à luz do seu sistema de crenças, mas é importante perceber que a prática em si não está relacionada com a fé.

Reiki é Reiki, e deve ser sempre praticado como tal: um método complementar que desperta o potencial de cura e de transformação em cada um, orientado para um maior bem-estar e qualidade de vida, independentemente de idade, género ou crença.

 

Written by Reiki Studio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.